Profissão Entretenimento

10 Grandes Mestres da Pintura que Você Ainda Não Conhece

Todos nós, artistas, temos aqueles pintores que conhecemos desde pequenos e que sempre nos serviram como referência e inspiração, não é? Leonardo da Vinci, Michelangelo, Caravaggio, Monet, Van Gogh, Frida Kahlo, Tarsila do Amaral e Cândido Portinari. Todos grandes artistas em seu tempo e que continuam sendo inspiração para muita gente até os dias de hoje.

Sabemos que não existem apenas esses grandes artistas, mas, não sabemos quem são os outros. Hoje iremos apresentar 10 grandes mestres da pintura figurativa que talvez você ainda não conheça (mas deveria conhecer)!

 

1- Artemisia Gentileschi

Artemisia é uma das primeiras artistas mulheres de que se tem registro. Nascida em Roma, filha do também artista Orazio Gentileschi, ela teve o privilégio de aprender o ofício do pai.

Até a década de 1960 ela era praticamente desconhecida, principalmente, pelo fato de grande parte de sua obra ter sido assinada com pseudônimos masculinos, como o nome do pai ou marido.

A artista retratava principalmente cenas bíblicas e religiosas, os principais temas abordados na época, contudo, é nítida a diferença da visão das personagens retratadas por ela em comparação aos outros artistas de seu estilo, o Barroco. Vítima de violência sexual na sua adolescência e tendo visto seu agressor ser inocentado, tal carga emocional transparece para sua obra.

Em uma época em que mulheres raramente eram aceitas como aprendizes de qualquer ofício, Artemisia se tornou a primeira mulher membro da Academia de Belas Artes de Florença.

2 – Jean Honoré Fragonard

Pintor francês característico do Rococó, Fragonard produziu mais de 10.000 pinturas, sem contar desenhos e gravuras.

Em sua produção se destacam as pinturas de gênero, sempre cheias de detalhes minuciosos que tornam suas pinturas tão ricas e belas. Para sua época, também eram consideradas cheias de caráter erótico.

3- Francisco de Goya

Goya foi um grande pintor e gravador espanhol, da época do Romantismo. Estudou na Academia de Belas Artes de Perma.

Ele é considerado pelos historiadores o primeiro artista a colocar sua posição política pessoal em suas obras. Em algumas delas podemos observar os heróis civis e a opressão violenta sobre essas pessoas, principalmente enquanto a Espanha esteve ocupada pelos franceses nas Guerras Napoleônicas.

4- Antônio Rafael Bandeira

O brasileiro Antônio Rafael Pinto Bandeira nasceu em 1863 e foi um dos primeiros artistas negros que se tem registro no Brasil. Neto de escravos, ele estudou pintura na Academia Imperial de Belas Artes. Também chegou a dar aulas de pintura no Liceu de Artes e Ofícios de Salvador (BA). Além disso, se bem analisada, sua obra possui um potencial muito forte, até revolucionário para a época, principalmente com retratos e pinturas de gênero. Ainda em um Brasil escravocrata, ele retrata diversas personagens negras em posições dignas, diferente do que acontecia até então.

Como exemplos, o retrato do homem, com o rosto decidido, o olhar e a postura sem submissão, e a menina, negra, em boas vestes, em uma cena de gênero como qualquer outra feminina, que também podemos deduzir que é alfabetizada, pelo livro que ela tem no colo.

5- Elizabeth Thompson (Lady Butler)

Elizabeth Thompson, também conhecida como Lady Butler, foi uma pintora inglesa nascida em 1846 e uma das únicas mulheres da sua época (que não eram muitas) a se dedicar e se destacar na pintura histórica e militar.

Várias de suas pinturas são cenas famosas das Guerras Napoleônicas e da Primeira Guerra Mundial, além de diversas outras batalhas ao longo do séc. XIX

6- Jean Baptiste Debret

O pintor e desenhista francês foi um dos integrantes da Missão Artística Francesa no Brasil, em 1817. Jean Baptiste Debret, ou apenas Debret, se mudou para o Brasil para ajudar a compor a recém fundada Academia Imperial de Belas Artes e foi um dos primeiros artistas responsáveis por retratos mais fiéis da natureza, paisagens e cotidiano brasileiros na primeira metade do séc. XIX.

7- Mary Cassatt

A artista americana nasceu em 1844, mas na década de 1850 se mudou com a família para a Europa. Teve uma boa educação em casa e se destacava nas habilidades de bordado, musica, desenho e pintura, o tipo de educação disponível para mulheres de sua época.

Na europa teve a oportunidade de conhecer os artistas Edgar Degas e Camille Pissarro, que seriam seus mentores. Decidiu se tornar artista profissional e fez diversas idas e vindas entre Europa e Estados Unidos durante sua vida.

Sob grande influências de Degas, Mary Cassatt se tornou uma das grandes impressionistas e uma das maiores artistas mulheres de seu tempo. Atraída pelos relacionamentos entre mães e filhos, sua obra é composta principalmente por retratos femininos e cenas familiares.

8- Gerda Wegener

Muitos já ouviram falar da pintora e ilustradora dinamarquesa da Art Nouveau, Gerda Wegener. Seu primeiro casamento com a, também artista, Lili Elbe (considerada a primeira mulher transexual e a realizar uma cirurgia de redesignação sexual) foi anulado. A história é retratada no romance de David Ebershoff, “A Garota Dinamarquesa”.

Em sua época, Gerda não foi bem recebida em sua profissão, primeiro por ser mulher, segundo por seu estilo pessoal, que se tornaria mais popular anos mais tarde, sendo esquecida por décadas pela história da arte. Trabalhou também fazendo diversas ilustrações para revistas de moda.

9- Katsushika Hokusai

Nascido em 1760, sem uma data específica, o artista japonês Katsushika Hokusai viveu e cresceu onde, hoje, se encontra a cidade de Tokyo. Seu trabalho pertence ao estilo ukiyo-e, pinturas de estilo similar as xilogravuras japonesas do período Edo (1603-1867).

O artista é bastante conhecido por uma de suas gravuras, “A Grande Onda”, de grande prestígio em todo o mundo, mas seu trabalho vai muito além disso. Ele produziu diversas pinturas sobre a vida urbana, grupos sociais, natureza e animais e uma série de gravuras e pinturas eróticas, as quais eram assinadas por pseudônimos para evitar que problemas chegassem a ele.

10- Harmonia Rosales

A pintora contemporânea Harmonia Rosales, nascida em Cuba, tem 33 anos e mora em Chicago, Estados Unidos, é quem fecha essa lista.

O principal objetivo de seu trabalho é atentar seu público para a figura de pessoas que não entraram para a história da arte, como alguns dos outros artistas desta lista. Sua pintura se destaca das demais contemporâneas pela figuração com referência direta a pinturas mais icônicas do Renascimento e Barroco, na versão dela, protagonizadas por figuras femininas e negras.

Ela questiona: “Não estávamos lá? Será que todos nós não ajudamos a construir essa terra em que vivemos?” Ela nos faz pensar quantos mais não foram reconhecidos em suas épocas e esquecidos ao longo dos anos?

Referências:
Artemisia Gentileschi: Aventuras da História e The Art Story; Jean Honoré Fragonard: The Art Story ;Francisco de Goya: infoEscolaAntonio Rafael Bandeira: Museu Afrobrasil ;Elizabeth Thompson: Art UKSpartacus Educational; Jean Baptist Debret: Enciclopédia Itaú Cultural ;Mary Cassatt: WikiArt e Arte e Blog  ;Gerda Wegener: ArtNet ;Katsushika Hokusai: Hypeness e InfoEscola; Harmonia Rosales: B9La Parola
Top