Profissão Entretenimento

Ghost in the Shell – Parte 1

Essa semana a internet deu uma balançada com a chegada do primeiro trailer da adaptação de ghost in the shell de 1995 para as telonas.
Difícil encontrar alguém que não entrou no trenzinho do hype depois desse trailer maravilhoso!

Se você ainda não viu, o trem vai dar uma paradinha para você subir, confira:

E ai, animou?

Bom, este filme é uma adaptação da animação lançada em 1995, também derivada do manga de 1991, todos de mesmo titulo. Mas não é só isso que Ghost in the Shell nos oferece, se você gostou da história e do visual, existe uma série de conteúdos para você consumir. Entre uma sequência de mangas e suas adaptações para animes, também já saíram alguns filmes, livros e videogames.

Tudo nesse universo merece o hype que está recebendo, o futuro que discute as relações entre máquinas, humanos e a tênue diferença entre eles, nos entrega uma série de histórias para chorar (literalmente) de emoção. Para mim, Ghost in the shell é um sucessor indireto de Blade Runner (1982) e não é novidade que foi uma inspiração para Matrix (1999), tanto no roteiro quanto no visual, veja algumas comparações:

Nosso professor de hard surface, Gustavo Ribeiro, nos indicou o canal animeeveryday que faz uma ótima análise sobre o que a linguagem visual e a narrativa da história quer nos passar com a jornada de Motoko:

E o concept art?

Bom, com relação ao filme que está para sair, temos um pequeno probleminha: como o filme ainda não foi lançado, não é possível encontrar o trabalho do desenvolvimento dos concept art, para não revelar nenhuma surpresa, mas vamos analisar o trabalho de quem está envolvido, para termos uma noção do que está por vir.

A atmosfera do universo traz ambientes que naturalmente notamos um desenvolvimento urbano muito rápido, um tanto caótico, nos dá impressão de muitas coisas amontoadas juntas, veja esses concept art da animação de 1995.

Hiromasa Ogura

background-illustration-for-ghost-in-the-shell-cut-311-by-hiromasa-ogura-1995-shirow-masamune-kodansha-bandai-visual-manga-entertainment-ltd-copy

Atsushi Takeuchi

ab9ceaafb9db2ed3328dd9d4a2d9ef7f

Takashi Watabe

fa6075b1bf67a5a768a214186d2277fd

As pinturas de Hiromasa Ogura eram feitas geralmente com tinta Guache, não da para subestimar a pintura tradicional, né?

Vitaly Bulgarov, Maciej Kuciara, Jan Urchel, Annis Naeem, Andrew Leung, Nick Gindraux, Daniel Chavez, Jonathan Bach e Po Sing Chu, são alguns dos vários nomes que estão trabalhando no filme, tanto em concepts 2D quanto 3D. É claro que todos eles tem uma produção voltada para o tema futurista, mas algo que me chamou atenção foi que vários deles trabalhou recentemente no filme The Jungle Book, e vendo as artes dele, eu consigo perfeitamente imaginar o mesmo clima dessas cenas na floresta mas no ambiente de Ghost in the Shell.

Arte de Annis Naeem em jungle book

Arte de Annis para Tron: uprising

Arte de Andrew para Jungle book

Concept de Ghost in the Shell por Andrew

Sinceramente, depois que pensei em Ghost in the Shell a partir desses concepts de The Jungle Book e o clima de suas cenas, fiquei muito mais empolgado com como eles podem adaptar algumas cenas e cenários futuristas do filme.

Podemos esperar grandes coisas dos cenários, armas e veículos no filme. O trabalho de Maciej Kuciara para o trailer de Cyberpunk 2077 é uma boa base para uma previsão:

Vitaly Bulgarov e Jan Urschel tem trabalhos incríveis no concept art de veículos e máquinas, veja se algum desses tanques te lembram alguma coisa:

Concept art de Vitaly

Concept art de Urschel

Nick, Jan, Vitaly e Maciej tem uma experiência grande com o desenvolvimento de ambientes e na concepção de veículos, podemos esperar também que a junção de seus trabalhos nos traga uma releitura incrível do universo de ghost in the shell.

Concept art de Nick Gindraux

E aí, também está no trenzinho do hype? Ainda teremos uma parte 2 para Ghost in the shell, quando tivermos todo o material do filme disponível, até lá ficamos na curiosidade!

Bons estudos!

18 anos, cabeça nas nuvens e viciada em marca-páginas,
Prazer.

Top