The Art Of

Patrícia Sonoda, Poesia e Ilustração

O The Art Of dessa semana é sobre uma ilustradora, character designer, storyboeder e poetisa brasileira, Patrícia Sonoda.

Patrícia é carioca e desde pequena tem uma paixão pela arte de desenhar e de escrever. Trabalha como freelancer em diferentes projetos de ilustração, character designer e storyboard, mas também já trabalhou em estúdios de animação, como a Copa Studio (Tromba Trem, Irmão do Jorel) e a Birdo Studio (Oswaldo,Ninjin, Cupcake e Dino), ambas em São Paulo. Um de seus projetos pessoais foi o livro Crush: Coração em Queda, que reúne ilustrações e poesias da artista. Confira abaixo a entrevista que Sonoda deu a Revolution Now acerca de sua carreira e projetos:

Conte um pouco sobre você, como foi sua trajetória e início de carreira.

Nasci no Rio de Janeiro mas fui criada desde meus 4 anos na cidade serrana de Nova Friburgo, interior do estado. Desenhei desde muito nova, influenciada pela minha irmã mais velha. Como toda criança, gostava de desenhar personagens de desenhos animados como Rei Leão, Pokémon, Sakura Card Captors e  Sailor Moon. Comecei a fazer minhas próprias histórias em quadrinhos baseadas nos personagens que eu gostava, fazia ficha de personagens baseados nos mangás que eu lia na época.

Na minha cidade não se conhecia a profissão de ilustrador. Eu sabia que gostaria de trabalhar com algo relacionado à área, então pensei em seguir profissões como arquitetura, moda ou design gráfico.

Dessa forma, me mudei para Niterói início de 2012 para cursar faculdade de Design Gráfico na PUC. Na época comecei a procurar mais artistas brasileiros e conheci a página do BrasilArt no ˜falecido˜ DeviantArt. Lá eles compartilhavam artes de outros artistas brasileiros e foi meu primeiro contato e conhecimento da profissão. Daí comecei a adicionar alguns deles no Facebook e lá começou o início do meu network haha.

Acabei desistindo do curso de Design na PUC, e mudei para um curso tecnólogo voltado em ilustração e animação digital na UVA. Não me arrependo dessa decisão, me fez descobrir uma outra paixão, que é a o Audiovisual, no qual sinto um grande orgulho por ter feito parte de alguma forma do seu crescimento aqui no Brasil.

Também nos conte mais sobre seu projeto Crush coração em queda livre como foi seu processo de escrita e ilustração. Há planos para novos projetos?

Sempre escrevi poesias quando era adolescente. Inclusive participando e  ganhando alguns prêmios em concursos no colégio. Mas depois que foquei em ilustração, essa parte minha foi se perdendo.

No final de 2015 foi um ano muito difícil para mim, de grandes transformações na minha vida, o que me fez voltar a escrever. Em Crush eu reuni poemas de 2016 até 2018, transformando-o em uma coletânea de quatro capítulos tratando de assuntos pessoais relacionados a ansiedade, amor-próprio, relacionamentos e família. Como ilustração eu sempre tratei como trabalho, eu não conseguia me expressar. Com a escrita, pude desabafar e expor uma parte de mim para as pessoas às quais elas não tinham acesso. Gostaria de fazer sim, talvez com alguma editora, se tiverem interesse rs. Mas isso provavelmente vai ficar engavetado por um tempo haha.

Quais artistas te inspiram  e deixe um recado para os estudantes que desejam entrar no mercado de ilustração, character design e/ou storyboard.

Acho que todos os meus amigos e colegas de profissão me inspiram muito. Alguns nomes que me vêm à cabeça agora é o Caio Martins, Cinthia Saty, André Rocca, Israel Santos, Rosana Urbes. São pessoas que, além de ótimos artistas, são pessoas muito queridas, e acho que me inspiram e fazem o mercado de Ilustração/animação melhor rs.

O mercado criativo tá sempre em constante transformação. Acho que o que eu diria é, foca no seu trabalho, se preocupe em evoluir e melhorar o sua arte para fortalecer o mercado no Brasil. Converse e troque ideia com pessoas da área e tenha amigos que você possa mostrar seu trabalho e trocar críticas. Não tenha vergonha de perguntar sobre valores, tirar dúvidas etc. Todo mundo já passou por isso, e a verdade é que tá todo mundo no mesmo barco que você hahaha. 

De resto é: consuma e viva a arte. Museus, filmes, animações, quadrinhos, livros. Vá a parques, saia com os amigos. Tenha experiências para que você possa transmitir no seu trabalho autoral. A história que você conta (storytelling) com seu desenho é tão importante quanto os estudos de anatomia. E é esse o diferencial que os estúdios hoje em dia procuram. E esse tipo de coisa dificilmente se aprende com livros.

Descubra mais de seu trabalho:

Você pode acompanhar mais do trabalho de Patrícia Sonoda em seu Behance, e Instagram.

Top