Modo noturno:

Quadrinista brasileiro ganha prêmio Eisner

24 de julho de 2018

Na última sexta-feira (20 de julho) foi anunciada a lista de vencedores do The Will Eisner Comic Industry Awards, uma das mais importantes premiações de História em Quadrinhos do mundo.

A premiação que acontece desde de 1987 e, tradicionalmente, é anunciada durante a edição da Comic Con International, realizada em San Diego, Califórnia, conta com 32 categorias sendo uma delas a de Melhor Publicação Americana de um Material Estrangeiro, para qual a HQ Cumbedo brasileiro Marcelo D’Salete, foi indicada e eleita vencedora.

"Cumbe", de Marcelo D'Salete.

A HQ é dividida em quatro histórias separadas e trata da resistência negra durante o período de escravidão no Brasil. Além disso, o autor apresenta algumas situações comuns à época, como as relações de abuso entre bracos e negros e até fugas suicidas. Cumbe foi publicada no Brasil em 2014, através da Editora Veneta e, em 2017, traduzida com o título de Run for it – stories of slaves who fought for the freedom, lançada nos Estados Unidos pela Editora Fantagraphics.

Além de Cumbe, D’Salete tem outras produções que abordam a temática  da escravidão, como é o caso de Angola Janga: Uma História de Palmares. Em entrevista para o jornal Diário de Pernambuco, em 2017, o quadrinista fala um pouco sobre qual é a sua opinião a respeito da relevância de suas obras. “Acho importante trazer isso dentro de uma linguagem, de certo modo, acessível, como são os quadrinhos […] Vejo muita gente que vai atrás desses livros e não é leitor tradicional de quadrinhos. São pessoas interessadas em história, cultura, em falar sobre Brasil, de outra perspectiva”.

Ilustração de "Angola Janga".

Na mesma categoria do quadrinho brasileiro estavam concorrendo as traduções Audubon: On the Wings of the World (de Fabien Grolleau e Jerémie Royer, traduzido por Etienne Gilfillan), Flight of the Raven (de Jean-Pierre Gibrat, traduzido por Diana Schutz and Brandon Kander), FUN (de Paolo Bacilieri, traduzido por Jamie Richards), Ghost of Gaudi (de El Torres e Jesús Alonso Iglesias, traduzido por Esther Villardón Grande) e The Ladies-in-Waiting (de Santiago García e Javier Olivares, traduzido por Erica Mena).

Confira algumas páginas da história em quadrinhos Cumbe.

Sobre o artista

Marcelo D’Salete nasceu no ano de 1979, em São Paulo. Durante sua adolescência fez curso de design gráfico e trabalho para algumas editoras, como ilustrador. Atualmente, além de quadrinista e ilustrador, D’Salete é professor e mestre em história da arte pela Universidade de São Paulo (USP).

Sua estreia como quadrinista aconteceu em 2001, com algumas publicações nas revistas Front e Quadreca.  Sete anos depois, Marcelo publica sua primeira graphic novel, “Noite Luz” através da editora Via Lettera. 

Acompanhe o trabalho dele através do site Marcelo D’Salete.

Quadrinista e historiador Marcelo D'Salete.

Lista completa de vencedores do Eisner Awards 2018. 

Melhor História Curta

”A Life in Comics: The Graphic Adventures of Karen Green,” de Nick Sousanis, em Columbia Magazine (Summer 2017)

Melhor história/edição única

“Hellboy: Krampusnacht”, de Mike Mignola e Adam Hughes (Dark Horse)

Melhor série

“Black Hammer”, de Jeff Lemire, Dean Ormston e David Rubín (Dark Horse)

Melhor minissérie

“Black Panther: World of Wakanda”, de Roxane Gay, Ta-Nehisi Coates e Alitha E. Martinez (Marvel)

Melhor série estreante

Black Bolt“, de Saladin Ahmed e Christian Ward (Marvel)

Melhor Série em andamento 

“Monstress”, de Marjorie Liu e Sana Takeda (Image)

Melhor publicação infantil (para crianças de até oito anos)

“Good Night, Planet”, de Liniers (Toon Books)

Melhor publicação infantil (de 9 a 12 anos)

“The Tea Dragon Society”, de Katie O’Neill (Oni)

Melhor publicação juvenil (13 a 17 anos)

“Monstress”, de Marjorie Liu e Sana Takeda (Image)

Melhor publicação de humor

“Baking with Kafka”, de Tom Gauld (Drawn & Quarterly)

Melhor antologia

“Elements: Fire, A Comic Anthology by Creators of Color”, editado por Taneka Stotts (Beyond Press)

Melhor não-ficção

“Spinning”, de Tillie Walden (First Second)

Melhor álbum gráfico (inédito)

“My Favorite Thing Is Monsters”, de Emil Ferris (Fantagraphics)

Melhor álbum gráfico (republicação)

“Boundless”, de Jillian Tamaki (Drawn & Quarterly)

Melhor adaptação de outra mídia

“Kindred”, de Octavia Butler, adaptado por Damian Duffy e John Jennings (Abrams ComicArts)

Melhor edição americana de material estrangeiro

“Run for It: Stories of Slaves Who Fought for the Freedom”, de Marcelo D’Salete, traduzido por Andrea Rosenberg (Fantagraphics)

Melhor edição americana de material estrangeiro (asiático)

“My Brother’s Husband”, vol. 1, de Gengoroh Tagame, traduzido por Anne Ishii (Pantheon)

Melhor coleção de arquivo (tiras)

“Celebrating Snoopy”, de Charles M. Shulz, editado por Alexis E. Fajardo e Dorothy O’Brien (Andrews McMeel)

Melhor coleção de arquivo (quadrinhos)

“Akira 35th Anniversary Edition”, de Katsuhiro Otomo, editado por Haruko Hashimoto, Ajani Oloye, e Lauren Scanlan (Kodansha)

Melhor roteirista – Empate

Tom King, BatmanBatman Annual #2, Batman/Elmer Fudd Special #1, Mister Miracle (DC)

Marjorie Liu, Monstress (Image)

Melhor roteirista/desenhista

Emil Ferris, My Favorite Thing Is Monsters (Fantagraphics)

Melhor arte-finalista ou time de arte-finalistas

Mitch Gerads, Mister Miracle (DC)

Melhor desenhista/artista multimídia (páginas internas)

Sana Takeda, Monstress (Image)

Melhor artista de capa 

Sana Takeda, Monstress (Image)

Melhor Colorista

Emil Ferris, My Favorite Thing Is Monsters (Fantagraphics)

Melhor letrista 

Stan Sakai, Usagi Yojimbo, Groo: Slay of the Gods (Dark Horse)

Melhor Quadrinho relacionado à jornalismo 

“The Comics Journal”, editado por Dan Nadel, Timothy Hodler, e Tucker Stone (Fantagraphics)

Melhor livro sobre quadrinhos

“How to Read Nancy: The Elements of Comics in Three Easy Panels”, de Paul Karasik e Mark Newgarden (Fantagraphics)

Melhor trabalho acadêmico

“Latin Superheroes in Mainstream Comics”, de Frederick Luis Aldama (University of Arizona Press)

Melhor design de publicação

“Akira 35th Anniversary Edition”, design de Phil Balsman, Akira Saito, NORMA Editorial, e MASH•ROOM (Kodansha)

Melhor Webcomic

“The Tea Dragon Society”, de Katie O’Neill (teadragonsociety.com)

Melhor Quadrinho Digital

“Harvey Kurtzman’s Marley’s Ghost”, de Harvey Kurtzman, Josh O’Neill, Shannon Wheeler, e Gideo Kendall (comiXology Originals/Kitchen, Lind & Associates)

Top